skip to Main Content
Viva Experiências únicas, Conheça A História Do Blog Caminho Traçado

Viva experiências únicas, conheça a história do blog Caminho Traçado

Autora: Yasmin Duarte 

Seu sonho é viajar pelo o mundo desfrutando cada cidade, estado ou país, mas existe aquela falta de coragem para jogar tudo para o ar? Pois saiba que existem pessoas que já conseguiram superar essa barreira e vivem experiências incríveis nas estradas. Neste artigo, conversamos com o casal Luciano Queiroz e Suzzi Queiroz, autores do blog Caminho Traçado. Eles contam como surgiu o blog sobre viagens pelo Brasil e qual o valor gasto para realizar esse sonho. Confira!

Como saber se viajar pelo o mundo é a vida ideal para você?

Antes de planejar sua “volta ao mundo”, a primeira coisa que deve se levar em consideração é se você gosta de viajar e se sente bem durante os passeios. No caso da Suzzi e do Luciano, conhecer novos lugares sempre foi um desejo muito presente. Juntos há mais de 15 anos, em todo esse tempo eles sempre se esforçaram para se aventurar pelo Brasil.

Embora as viagens tenham começado há muito tempo, foi apenas no final de 2016 que decidiram criar o canal Caminho Traçado para compartilharem suas aventuras e se aproximarem daqueles que se mostravam curiosos por suas experiências. Suzzi explica que o nome do blog foi criado a partir de duas ideias decisivas para o projeto: “primeiro, porque compartilhamos todas as nossas rotas de GPS através do aplicativo ‘wikiloc’ para que todos possam percorrer nossos caminhos traçados. Além disso, utilizamos hoje nossa Pajero TR4, que como todo veículo 4×4 é conhecido como ‘traçado’”.

Custos x prazer

Quais os pontos negativos e positivos de manter uma vida na estrada? Essa resposta pode variar de pessoa para pessoa, porque vai muito do gosto pessoal de cada um.

Para o casal do blog Caminhos Traçados, o contato próximo com a natureza é o maior ponto positivo. “O ponto negativo para gente é o valor do combustível. Esse é o item que mais pesa no orçamento para viajar”, explica Suzzi.

Aliás, o valor gasto para iniciar essa vida de aventura é uma das principais preocupações de quem deseja aderir a esse estilo de vida.

No caso dos nossos personagens, o casal conta que investiu principalmente na equipagem do carro e na estrutura do camping, chegando a um valor de R$9 mil, sem considerar o valor do carro.

Em relação ao gasto dos passeios em si, eles explicaram que costumam ser sempre de baixo custo. “Pelo menos, o mais baixo que a gente consegue. Quando não existe uma estrutura mínima de camping ou um lugar seguro para dormir, optamos por alguma pousada. Mas a maioria das vezes estamos em um camping. Em termos de campings no Brasil, temos opções bastante estruturadas, até locais bem rústicos, quase sem estrutura. Quando vamos para locais muito isolados, também acampamos sem estrutura nenhuma”, afirma Suzzi.

Agora, você deve estar se perguntando: como é possível pagar as contas com uma vida tão itinerante?

No caso do casal, hoje o Luciano é fotógrafo formado e ganha seu sustento tirando fotos pelos lugares que passa e com a fabricação artesanal de instrumentos musicais de cordas.

Outra fonte de renda que tem por objetivo oferecer maneiras de continuar com essa vida é a rentabilização do blog, cujo  objetivo, de acordo com Suzzi, é gerar conteúdos profissionais para as pessoas que pensam em desvendar novos cenários. “Nossa ideia é trabalhar mais as edições e captura das imagens, pensando mais como uma reportagem que possa agregar algo de bom para nosso público do que como um entretenimento qualquer. E felizmente algumas pessoas estão acreditando nessa proposta”, resume.

Paisagens imperdíveis

Por fim, para inspirar ainda mais você leitor, Suzzi sugere algumas cidades que considera excepcionais para ter a sua primeira aventura. “Gostamos muito dos campings onde a gente fica instalado, gostamos do astral dos frequentadores da região e, principalmente, gostamos da natureza presente. Essas cidades são: Roque de Minas/MG, na Serra da Canastra; Cambará do Sul/RS, na Serra Geral; e Mucugê/BA, na Chapada Diamantina.

Saiba um pouquinho mais sobre cada uma delas:

São Roque de Minas: “é um ponto de acesso centralizado para conhecer vários atrativos do Parque Nacional da Serra da Canastra e entorno. Muitas trilhas no meio do cerrado, muitas cachoeiras para passar o dia. Uma ótima opção para os dias quentes”.

Cambará do Sul: “é uma das cidades que servem de ponto de apoio para gente em nossas viagens para visitar os inúmeros cânions do Sul. Adoramos acampar na região em pleno inverno, que é quando o tempo tende a ficar mais estável, com menos formação de neblina. As temperaturas congelantes da Serra Gaúcha e Catarinense, principalmente no topo próximo aos cânions, são um atrativo à parte”.

Mucugê: “é um encanto só. A antiga cidade de origem mineradora da região ainda preserva muitas de suas construções do passado. O Camping Mucugê, no centro da cidade, oferece toda a estrutura que a gente precisa, com um visual fantástico dos paredões que cercam a cidade. E tudo isso encravado no meio do Parque Nacional da Chapada Diamantina, paisagens de natureza exuberante, lugares ainda intocados e trilhas com muitos desafios para todo tipo de aventura. Com certeza um lugar que todo brasileiro deveria conhecer!”.

Quer conhecer mais sobre a história e o dia a dia da Suzzi e do Luciano? É só seguir eles nas redes sociais (Site / Youtube / Facebook / Instagram).

Se você está cada vez mais empolgado para se jogar no mundo ou organizar uma viagem planejada a bordo de um motorhome, conta com a gente. A Wheelstels é uma agência de turismo com foco nos veículos recreativos pronta para te auxiliar nessa missão!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top